A ciência de porque nós não acreditamos na ciência

Tempo de leitura : 20 min

UM HOMEM COM UMA CONVICÇÃO é um homem difícil de mudar. Diga-lhe o que discordas e ele se afastará. Mostre-lhe fatos ou figuras e ele questionará suas fontes. Apele à lógica e ele não conseguirá ver o seu ponto”. Assim escreveu o célebre psicólogo da Universidade de Stanford, Leon Festinger, em uma passagem que poderia ser sobre as insistentes negações das mudanças climáticas mesmo diante de uma grande quantidade de informações sobre o assunto. Porém ainda era muito cedo para isso, tudo isto aconteceu há mais de 60 anos quando Festinger estava estudando um caso de psicologia [1]

Festinger e vários de seus colegas infiltraram nos Seekers, um pequeno grupo que cultuava alienígenas. Este grupo era liderado por Dorothy Martin, um devoto da pseudociência ufológica que transcreveu as mensagens interestelar o qual afirmava a data precisa de um cataclisma devastador na terra: 21 de dezembro de 1954. Diante dessa afirmação, alguns dos seguidores de Martin abandonaram seus empregos e venderam suas propriedades, na espera de serem resgatados por um disco voador quando o grande dia chegasse. Os discípulos chegaram até mesmo a remover sutiãs e zíper das calças, pois acreditavam que o metal representava algum perigo na espaçonave.

Festinger e sua equipe estavam no culto quando a profecia falhou. Primeiro, os “meninos de cima”, como os alienígenas eram chamados, não apareceram e não resgataram os Seekers. Assim, o dia 21 de dezembro chegou e nada ocorreu. Era o momento que Festinger esperava: Como as pessoas tão emocionalmente investidas em um sistema de crenças reagiriam, agora que ele havia falhada?

No início, o grupo lutou por uma explicação do que havia acontecido. Mas então começou a racionalização e “uma nova mensagem dos alienígenas” havia chegado anunciando que todos tinham sido poupados no último minuto. Festinger resume o pronunciamento extraterrestre como: “Um pequeno grupo, sentado durante toda a noite, espalhou tanta luz que deus salvou o mundo da destruição”. Ou disposição em acreditar na profecia salvou a terra da profecia.

A partir daquele dia, os Seekers, antes tímidos da imprensa e indiferentes à evangelização, começaram a ser proselitistas. “A sensação de urgência era enorme”, descreveu Festinger. O fracasso de tudo o que haviam acreditado os tornaria ainda mais certos de suas crenças.

Mas enquanto o culto espacial dos Seekers está no extremo do espectro autoilusão humana, há outras ilusões nesse meio. Desde este dia, uma série de novas descobertas em psicologia e neurociência demostraram mais ainda como nossas crenças preexistentes, muito mais do que quaisquer fatos novos, podem desviar nossos pensamentos e até mesmo colorir o que consideramos nossas conclusões mais desapaixonadas e lógicas [2]. Esta tendência é chamada de “Raciocínio Motivado” e ajuda a explicar por que encontramos grupos tão polarizados em alguns assuntos, mesmo quando as evidências são claras o bastantes, como em mudanças climáticas, vacinas, quedas de aeronaves e etc. Parece que se espera que todas as pessoas sejam simplesmente convencidas pelos fatos dos fatos em face de você sabe? os fatos!

O raciocínio motivado se baseia em uma visão fundamental da neurociência moderna: O raciocínio de fato é carregado de emoção (ou o que os pesquisadores costumam chamar “afeto”) [3]. Não só os dois são inseparáveis, mas nossos sentimentos positivos ou negativos sobre pessoas, coisas e ideias surgem muito mais rápido do que nossos pensamentos conscientes, o suficiente para se detectar com um dispositivo eletroencefalograma, quanto mais para sermos ciente disto. Isso não deve ser tão surpreendente pois a evolução exigiu que reagíssemos muito rapidamente aos estímulos em nosso ambiente. É uma “habilidade básica da sobrevivência humana”, explica o cientista político Arthur Lupia, da Universidade de Michigan. Afastamos das informações ameaçadoras e aproximamos de informações amigáveis

Aplicamos reflexos de luta ou fuga não apenas aos predadores, mas as próprias informações.

Nós não somos dirigidos apenas por emoções, é claro, também raciocinamos, deliberamos. Mas o raciocínio vem depois, trabalha mais devagar e mesmo assim, não se processa em sem fatores emotivos. Em vez disso, nossas emoções intensas podem nos colocar em um curso de pensamento que é altamente tendencioso, especialmente em tópicos bastante preocupantes.

Considere uma pessoa que ouviu falar de uma descoberta científica que desafia profundamente sua crença na criação divina – um novo hominídeo, digamos, que confirma mais ainda nossas origens evolutivas. O que acontece a seguir é uma resposta negativa subconscientemente para a nova informação e que a resposta, por sua vez, orienta o tipo de memórias e associações formadas na mente consciente, explica o cientista político Charles Taber da Stony Brook University. “Eles recuperam pensamentos que são consistentes com suas crenças anteriores e que vai levá-los a construir um argumento e desafiar a nova ideia ouvida.”

Em outras palavras, quando pensamos que estamos raciocinando, podemos racionalizar. Ou, para usar uma analogia oferecido pelo psicólogo Jonathan Haid

Podemos pensar que estamos sendo cientistas, mas nós estamos sendo realmente advogados

Nosso “raciocínio” é um meio para um fim predeterminado, ganhar nosso “caso”, e é feito com pré-conceitos. Eles incluem o “viés de confirmação”, no qual damos maior atenção às evidências e argumentos que reforçam nossas crenças e o “viés de anulação”, em que gastamos energia desproporcional tentando desacreditar ou refutar opiniões e argumentos que achamos não convencionais [4].

Pode não parecer, mas todos entendemos muito bem esses mecanismos quando se trata de relacionamentos interpessoais. Se eu não quero acreditar que meu cônjuge está sendo infiel, ou que meu filho é um valentão, eu posso ir muito longe para explicar o comportamento, que parece óbvio para todos os outros, pois todo os outros não estão emocionalmente relacionados para aceitar qualquer explicação. Isso não é para sugerir que não estamos também motivados a perceber o mundo de forma fria. É apenas que temos outras abordagens importantes, além da interpessoal, incluindo a afirmação de identidade e proteger o senso de si mesmo, e muitas vezes nos tornam altamente resistentes à mudança de nossas crenças quando os fatos nos contradizem

cgx1zuwu8ae0vkz
Tradução: unpleasant truth – verdades desagradáveis, comforting lies – mentiras confortantes.

A ciência moderna originou-se de uma tentativa de eliminar esses lapsos subjetivos – o que o grande teórico do método científico, do século 17, Francis Bacon, chamou de “ídolos da mente”. Mesmo que os pesquisadores individuais sejam propensos a se apaixonar por suas próprias teorias, os processos mais amplos de revisão pelos pares e ceticismo institucionalizado são projetados para garantir que, eventualmente, as melhores ideias prevalecem.

Nossas respostas individuais às conclusões que a ciência atinge, no entanto estão completamente fora de questão, pelo menos em princípio. Ironicamente, em parte porque os pesquisadores empregam uma linguagem objetiva e são detalhista além de se esforçarem para divulgar todas as fontes restantes das possíveis incertezas, as evidências científicas ainda sim são altamente suscetível a leituras seletivas e má interpretação.

Um grande número de estudos psicológicos já mostrou que as pessoas respondem a evidências científicas ou técnicas de maneiras que justificam suas crenças preexistentes. Um experimento em 1979, colocou pessoas pró e contra a pena de morte expostos a descrições de dois estudos científicos falsos: Um que sustenta e outro que mina a noção de que a pena capital elimina o crime violento, em particular, o assassinato. Também foram mostradas críticas metodológicas detalhadas dos estudos falsos. No entanto, em cada caso, os defensores criticaram mais intensamente o estudo alheio, cujas conclusões discordaram das suas, ao mesmo tempo em que descreveram o estudo mais ideologicamente adequado como mais “convincente”[5].

Desde então, resultados semelhantes foram encontrados de como as pessoas respondem a “evidência” sobre a ação afirmativa em controle de armas ou mesmo a precisão dos estereótipos gays. Mesmo quando os sujeitos do estudo são explicitamente instruídos a serem imparciais e justo sobre as provas, muitas vezes isso se mostrou falho [6].

E não é apenas que as pessoas torcem ou leiam seletivamente a evidência científica para apoiar suas visões preexistentes. De acordo com a pesquisa do professor Dan Kahan da Faculdade de Direito de Yale, as visões profundamente arraigadas das pessoas sobre moralidade e sobre o modo como a sociedade deve ser ordenada, preveem fortemente a quem eles consideram ser um perito científico legítimo em primeiro lugar – Eles consideram “consenso científico” mentir sobre questões contestadas.

Na pesquisa de Kahan os indivíduos são classificados, com base em seus valores culturais, como “individualistas” ou “comunitários” e como “hierárquicos” ou “igualitários” na perspectiva (você pode pensar em individualistas e hierárquico parecidos com republicanos conservadores enquanto que comunitários igualitários como democratas liberais.)

Em um estudo, os sujeitos de diferentes grupos foram convidados a ajudar um amigo próximo a determinar os riscos associados com mudança climática do roubo de lixo nucleares “O amigo em questão diz que ele está planejando ler um livro sobre o assunto, mas gostaria de obter a opinião sobre o autor, que parece ser um especialista experiente e confiável [7]. O autor foi então apresentado com o currículo de um falso “representado como um membro da Academia Nacional de Ciências que tinha ganho um doutorado em um campo pertinente de uma universidade de elite e que agora estava noutra faculdade. O sujeito foi então mostrado um trecho do livro escrito por aquele “perito”, em que o risco da questão era retratado como alto ou baixo, bem fundamentado ou especulativo. Quando a posição do cientista afirmou que o aquecimento global é real e causado pelo homem, por exemplo, apenas 23 % dos individualistas hierárquicos concordaram que a pessoa era um “especialista confiável e experiente”. No entanto, 88 por cento dos comunitários e igualitários aceitaram os conhecimentos do mesmo cientista. Similares divisões foram observadas sobre se os resíduos nucleares podem ser armazenados com segurança no subterrâneo ou sobre o porte de armas por civis. Em outro estudo, hierarcas e comunitário foram a favor de leis que obrigavam o doente mental aceitar tratamento, enquanto os individualistas e igualitários se opuseram[8].

Em outras palavras, as pessoas rejeitavam a validade de uma fonte científica porque sua conclusão contradizia suas opiniões profundamente mantidas e, portanto, os riscos relativos inerentes a cada cenário. Um individualista acha difícil acreditar que suas atitudes podem ser prejudiciais à sociedade. Noutra ponta, os comunitários tendem a pensar que o livre mercado causa danos, que as famílias patriarcais atrapalham as crianças e que as pessoas não conseguem lidar com suas armas.

Os sujeitos do estudo não eram “anti-ciência”, pelo menos em suas cabeças, a ciência só estava certa quando eles estava de acordo. Chegamos a uma desventura, uma situação ruim em que cidadãos diversos, que dependem de diversos sistemas de certificação cultural, estão em conflito- afirma Kahan

E isso enfraquece a noção padrão de que a maneira de persuadir as pessoas é através de evidências e argumentos. Na verdade, as tentativas diretas de persuadir às vezes podem desencadear um efeito de retrocesso, onde as pessoas não apenas não mudam de opinião quando confrontadas com os fatos como elas podem manter suas visões erradas mais fortes do que nunca.

Isso de certa forma pode ajudar a explicar um padrão curioso que os Brendan Nyham encontrou quando testava a falácia que o presidente Obama era muçumano. Quando um investigador não-branco estava administrando o estudo, os sujeitos da pesquisa eram passíveis de mudar suas mentes sobre a religião do presidente e atualizar visões incorretas. Mas quando apenas os pesquisadores brancos estavam presentes, os indivíduos do levantamento eram mais propensos a acreditar no mito muçulmano de Obama. Os sujeitos estavam usando “o desejo social” para adaptar suas crenças (ou declarou crenças, de qualquer maneira) para quem estava escutando.

Essas análises podem nos levar no papel da mídia quanto a polarização das ideias. Quando as pessoas se polarizam sobre um corpo de evidências, ou uma questão de resolução de fato, a causa pode ser alguma forma de raciocínio tendencioso, mas também podem estar recebendo informações distorcidas para começar ou uma combinação complicada de ambas.

Ok…então as pessoas gravitam em torno da informação que confirma o que eles acreditam e eles selecionam as fontes que o entregam isso. O mesmo que sempre foi, certo? Possivelmente, porém o problema hoje é mais agudo dada a forma como as informações são consumidas através de links de amigos no facebook, tweets, que carecem de nuances ou contexto dos meios de comunicação, o que muitas vezes são extremamente ideológicas.

Se você quisesse mostrar como e porque o fato é abandonado em favor do raciocínio motivado, nenhum caso é melhor para exemplificar isto do que as mudanças climáticas. Afinal, é um problema onde você tem informações altamente técnicas por um lado e crenças muito fortes no outro. E com certeza, um preditor-chave de se você aceita a ciência do aquecimento global é se você é um republicano ou um democrata. Os dois grupos têm sido cada vez mais divididos em suas opiniões sobre o tema, mesmo quando a ciência é bastante clara sobre o assunto.

Em uma pesquisa Pew 2008, apenas 19 por cento dos republicanos com formação superior concordaram que o planeta está se aquecendo devido a ações humanas, contra 31 por cento dos não-universitário republicanos educados. Em outras palavras, um ensino superior correlacionado com uma maior probabilidade de negar a ciência sobre o assunto. Entretanto, entre os democratas e os independentes, mais educação se correlacionava com uma maior aceitação da ciência.

417-3
Proporção de Norte americanos que creem no aquecimento da terra PRC(2008) .

De acordo com Charles Taber e Milton Lodge de Stony Brook, um aspecto insidioso do raciocínio motivado é que políticos são propensos a serem mais tendenciosos do que aqueles que sabem menos sobre diversas questões. Assim, os indivíduos são tão emocionalmente influenciados e tendenciosos como o resto de nós, mas eles são capazes de gerar mais e melhores razões para explicar por que razão – e assim suas mentes se tornam mais difíceis de mudar.

É por isso que os e-mails seletivamente citados do Climategate* cairam tão nos braços de partidários como evidência de um escândalo. A escolha da cereja é precisamente o tipo de comportamento que você esperaria que os motivadores e motivados se empenhem em reforçar seus pontos de vista e tudo o que você pode pensar sobre Climategate, os e-mails foram um rico acervo de novas informações para impor a sua ideologia. De certa forma, o Climategate foi como um teste de Rorschach”, diz Leiserowitz, “com diferentes grupos interpretando fatos ambíguos de maneiras muito diferentes”.

Mas estes foram caso que os republicanos e mais abraçaram, porém, negar fatos científicos não é exclusivo deste lado ideológico. Existe um estudo de caso de negação da ciência que ocupa em grande parte a esquerda política? Sim: a alegação de que as vacinas infantis estão causando uma epidemia de autismo.

Entre seus defensores mais famosos são um ambientalista Robert F. Kennedy Jr. e várias celebridades de Hollywood (mais notavelmente Jenny McCarthy e Jim Carrey). O Huffington Post dá um grande megafone aos negadores. Seth Mnookin, autor do novo livro The Virus Panic observa que, se você quiser encontrar negadores vacina, tudo que você precisa fazer é ir sair no Whole Foods.

A negação da vacina tem todas as características de um sistema de crenças que não é passível de refutação. Durante a última década, a afirmação de que vacinas estavam impulsionando as taxas de autismo tem sido prejudicada por vários estudos como epidemiológicos, bem como o simples fato de que as taxas de autismo continuam a subir, apesar de o alegado agente agressor em vacinas (um conservante à base de mercúrio chamado Timerosal) há muito tempo foi removido.

No entanto, os verdadeiros crentes continuam a criticar cada novo estudo que desafia seus pontos de vista, até mesmo se uniram à defesa do pesquisador Andrew Wakafiel, quem propagou a ideia de que vacinas causam autismo, quando ele perdeu sua autorização para praticar medicina. Mas então, por que devemos nos surpreender? Os negadores de vacinas criaram sua própria mídia partidária, como o site Age of Autism, que instantaneamente explodem em críticas e contra-argumentos sempre que qualquer novo desenvolvimento lança dúvidas sobre opiniões contraria as vacinas.

O posicionamento partidário levanta uma questão. Será que a esquerda e direita diferem de qualquer maneira significativa quando se trata de viés no processamento de informações, ou somos todos igualmente suscetíveis?

Existem algumas diferenças claras. A negação da ciência hoje é consideravelmente mais proeminente na direita política, uma vez que você examina o clima e as questões ambientais relacionadas, o anti-evolucionismo, os ataques à ciência da saúde reprodutiva pela direita cristã e as células-tronco e as questões biomédicas mais liberais. De forma mais reveladora, as posições anti-vacinas são praticamente inexistentes entre os funcionários democratas hoje em dia – enquanto as visões anti-clima-científicas estão se tornando monolíticas entre os eleitos republicanos.

Alguns pesquisadores sugeriram que há diferenças psicológicas entre a esquerda e a direita que podem afetar as respostas a novas informações – que os conservadores são mais rígidos e autoritários, e os liberais mais tolerantes à ambiguidade. O psicólogo John Jost, da Universidade de Nova York, argumentou ainda que os conservadores são “justificadores de sistemas”: eles se envolvem em um raciocínio motivado para defender o status quo.

Esta é uma área contestada, no entanto, porque assim que se tenta psicanalisar as diferenças políticas inerentes, surge uma bateria de contra-argumentos: e os comunistas? Dogmáticos? Militantes? E sobre como as partes têm diferido através da história? Afinal, o caso mais canônico de negação da ciência ideologicamente conduzida é provavelmente a rejeição da genética na União Soviética, onde os pesquisadores que discordam com o cientista Stalin stooge e Trofim Lysenko foram executados e a própria genética foi denunciada como uma” Burguesa” e oficialmente proibida.

O fato disso tudo, é que eventualmente somos cegos em algumas situações. A questão que vem à tona é. O que pode ser feito para neutralizar a própria natureza humana? Dado o poder de nossas crenças anteriores de distorcer como respondemos a novas informações, uma coisa está se tornando clara:

Se você quer que alguém aceite novas provas, certifique-se de apresentá-las em um contexto que não desencadeia uma reação de defesa emocional

Esta proposta está ganhando atenção por causa do trabalho de Kahan em Yale. Em alguns estudos, embalado pelo estudo dos artigos falso com propostas distintas “Scientific Panel Recommends Anti-Pollution Solution to Global Warming” e “Scientific Panel Recommends Nuclear Solution to Global Warming” e Depois testaram como os cidadãos com diferentes valores responderam. Com certeza, este último enquadramento tornou os individualistas hierárquicos muito mais abertos a aceitar o fato de que os seres humanos estão causando o aquecimento global. Kahan infere que o efeito ocorreu porque a ciência tinha sido escrita em uma narrativa alternativa que apelasse à sua visão de mundo pró-indústria.

Você pode seguir a lógica até sua conclusão: os conservadores são mais propensos a entender a questão climática se ela chegar a eles através de um negócio ou um líder religioso, que pode definir a questão no contexto de valores diferentes daqueles de que os ambientalistas ou que os cientistas argumentam. Fazê-lo é, efetivamente, sinalizar uma distensão no que Kahan chamou de uma “guerra cultural do fato”. Em outras palavras, paradoxalmente, você não conduz com os fatos para convencer. Você conduz com os valores para dar aos fatos uma chance de lutar.

O texto versionado e adaptado
The Science of Why We Don’t Believe Science: How our brains fool us on climate, creationism, and the
vaccine-autism link. Chirs mooney, 2011. 

*Climagate consiste em um caso de documentos que vazaram da Climatic Research Unit (CRU) da Universidade de East Anglia (Norwich, Inglaterra), que começou em novembro de 2009, quando um dos seus servidores teria sido hackeado. As pessoas não identificadas supostamente invadiram o sistema utilizado pela CRU e anonimamente publicaram cópias dos documentos encontrados no servido. O incidente sob investigação pela polícia em Norfolk, envolvendo mais de 1.000 e-mails e 3.000 documentos que compõem um tamanho de 160 MB de informações que mostram conversas científicas, dados e opiniões sobre o assunto do aquecimento global. O incidente foi originalmente transmitido por usuários da Internet e da Internet têm sido aqueles que passaram as informações para a mídia. O Gabinete do Inspector Geral da National Science Foundation (SNF) encerrou a investigação em 15 de agosto de 2011, que exonerou alegações Michael Mann por má conduta científica. O relatório descobriu que Mann não tinha falsificado dados, destruídos e-mails, mal utilizado informações privilegiadas, ou seriamente desviado das práticas científicas aceites. Ele reconheceu que há um uso adequado e contínuo de estatísticas debate científico, mas observou esse debate científico “não é por si só evidência de má conduta científica.” 

 

Gostou? Siga a página no Facebook também Unidades Imaginárias é de graça

Referências e leituras

Mother Jones: The Science of Why We Don’t Believe Science : How our brains fool us on climate, creationism, and the vaccine-autism link. Chirs mooney,2011.

[1] Festinger, L. Riecken, H and Schachter, S; When Prophecy Fails .Wilder Publications

[2] Kunda Z, The case for motivated reasoning.Psychol Bull. 1990 Nov;108(3):480-98.

[3] Antonio R. Damasio, Descartes Error and the Future of Human ,Sci Am. 1994 Oct;271(4):144.

[4] Haidt J.The emotional dog and its rational tail: a social intuitionist approach to moral judgment. Psychol Rev. 2001 Oct;108(4):814-34.

[5] Lord, Charles G.; Ross, Lee; Lepper, Mark R. Biased Assimilation and Attitude Polarization: The Effects of Prior Theories on Subsequently Considered Evidence. journal of Personality and Social Psychology, Vol 37(11), Nov 1979, 2098-2109

[6] Geoffrey D. Munro Peter H. Ditto, Biased Assimilation, Attitude Polarization, and Affect in Reactions to Stereotype-Relevant Scientific Information Personality and Social Psychology Bulletin,Vol 23, Issue 6, 1997.

[7] Kahan,D;Jenkins-Smith,H; Braman, D; Cultural Cognition of Scientific Consensus, Journal of Risk Research, Vol. 14, pp. 147-74, 2011.

[8] Kahan DM, Braman D, Monahan J, Callahan L, Peters E. Cultural cognition and public policy: the case of outpatient commitment laws.Law Hum Behav. 2010 Apr;34(2):118-40. doi: 10.1007/s10979-008-9174-4. Epub 2009 Jan 24.

Pew Research Center: A Deeper Partisan Divide Over Global Warming .MAY 8, 2008

Seth Mnookin,Panic Virus A True Story of Medicine Science & Fear. SIMON & SCHUSTER TRADE.2011